quinta-feira, 23 de março de 2017

Algumas das Coisas Que Eu Sei Dela




Por Simon Moon


Sei que Ela se torna tanto mais adorável quanto melhor eu A compreendo; e que Ela se torna  tanto mais compreensível quanto melhor eu A amo.
Sei que Ela está encarnada, é uma presença viva, Anna Livia Plurabella, em cada criatura viva de nós, incluindo as pessoas que eu não suporto - o que mostra Sua incrível humildade, e o Seu fantástico sentido de humor.
Sei que Ela me deleitou repetidamente com a Sua beleza, donde que Ela é o artista supremo; e sei que Ela transcende para sempre a minha compreensão, donde que Ela é mais do que beleza e inteligência.
Sei que Ela inspira o Bardo que canta para mim, e que ele é o seu sacerdote; e que eu sou apenas o retransmissor local através do qual ele emite a sua eterna adoração por Ela.
E sei que A adoro, minha Babalon! Adoro-A, minha Nu de olhos escuros!
Sei que a suprema glória da minha vida é Ela haver-se manifestado em mim, por vezes durante horas a fio, uma vez mesmo durante duas semanas; mas Ela manifestou-se mais verdadeiramente naqueles momentos quando eu fui inteiramente aniquilado Nela.
Sei que posso amá-La melhor através de uma mulher; mas esta é a minha natureza enquanto Capricórnio, e existem outros caminhos para outros amentes Dela.
Sei que, embora por vezes Ela pareça volúvel e arbitrária, Ela é-o apenas na minha momentânea visão estreita e egoísta das coisas; e que eu melhor A compreendi, e A amei, naqueles momentos em que aceitei sem reservas a Sua total perfeição.
Sei que Ela é o meu complemento, o meu outro Eu; e que Ela é toda a intoxicação ardente que me distancia do meu ego estreito, satisfazendo a minha eterna ânsia de aceder à Sua perfeição.
E eu sei que A adoro, minha Babalon! Adoro-A, minha Nu de pele de leão!
Sei que de momento eu sei apenas algumas coisas sobre Ela, mas sou inacreditavelmente afortunado, pois outrora eu nada sabia sobre Ela.
Sei que Ela me ama com uma paixão tão intensa quanto eu A amo a Ela; mas Ela é promíscua e ama todos os seus amantes dessa forma.
Sei que Ela se encontra nas estrelas e entre elas; e em todas as mentes sencientes.
Sei que todos os Seus amantes enlouquecem, segundo o julgamento deste mundo; mas isso é falso, pois é o mundo que está louco, e perturbado, e imerso na tristeza - por não A conhecer.
E eu sei que A adoro, minha Babalon! Adoro-A, minha mãe Nu!
Sei que Ela excede a metáfora, excede as palavras, excede o pensamento; mas Ela é radiosamente sã e simples no Seu coração.
Sei que Ela é a mais feliz de tudo quanto existe, pois Ela ama Tudo; e Ela é a mais sábia, pois Ela encontra-se inebriada no Seu êxtase de criação.
Sei que Ela se encontra na dança, porque Ela é a dança; mas Ela encontra-se nos movimentos das estrelas e nas equações dos astrônomos, porque Ela é a Mãe, e não a Filha, da Ordem.
Sei que Ela é temida e surge na forma de um pesadelo nas mentes daqueles que se encontram sem amor; mas Ela é eternamente graciosa para aqueles que Lhe cantam, A chamam, e Lhe suspiram, e repetem incessantemente nos seus corações:
Eu sei que A adoro, minha Babalon! Adoro-A, minha Nu de carne suave!
Sei que, muito embora o meu coração possa cantar com o Seu êxtase, e o meu cérebro rodopiar com o Seu mistério, uma parte de mim viverá para sempre angustiada, até eu me vir a perder inteiramente Nela.
Sei que, muito embora o meu coração pareça soçobrar no desespero, e o meu cérebro estacar confuso, uma parte de mim compreenderá alegremente para sempre, porque eu não me encontro verdadeiramente separado Dela.
Sei que Ela se encontra para além da inteligência, para além da emoção, para além da intuição; sei que Ela me está a arrastar para além da inteligência, para além da emoção, para além da intuição.
Sei que sou escravizado e fascinado e destruído por Ela, uma vez e outra e outra, até as minhas palavras morrerem na minha boca e eu só conseguir gemer ao tentar repetir:
Sei que A adoro, minha Babalon! Adoro-A, minha Nu de carne suave!


Llewellyn Publictions; de GNOSTICA, Setembro/Outubro, 1975.

Tradução retirada de O Livro dos Illuminati,
Robert Anton Wilson; Editora Via Optima, Portugal.






Um comentário: